domingo, 22 de dezembro de 2019

AKATHISTOS

AKATHISTOS
Hino em Honra da Virgem Mãe de Deus
Coro da Igreja de Santa Cruz, Pe. Francisco Claro
Igreja da Pedrulha, Coimbra - 22/12/2019
Esta é uma partilha e hino à Virgem Mãe de Deus, que dedico à minha querida mãe Filomena​ que foi para junto dela no dia da Senhora da Conceição.
Vídeos: Arménio Correia​

Para partilhar a partir do meu canal do youtube: https://www.youtube.com/playlist?list=PLomGdXth7taHReOUvQCHebb7ngmyCVFiK

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

FilomenaMyStarSky

A data deste teste intercalar A de Matemática Aplicada foi alterada duas vezes, isto é, inicialmente estava marcado para a última semana de novembro, depois passou para 11 de dezembro, mas... Porque a minha querida mãe Filomena Silva Rodrigues gostava de dar e das últimas castanhas que apanhou também chegaram aos meus alunos, isto é, no final de outubro ofereci 3 castanhas a cada um das castanhas que ela apanhou, hoje resolvi homenagear uma vez mais a minha mãe numa das alíneas deste teste intercalar de Matemática Aplicada com uma imagem e legenda de FilomenaMyStarSky.

sábado, 14 de dezembro de 2019

Missa de 7.º Dia da nossa Filomena - Cheia de Graça

Hoje, a minha mãe voltou a ter a casa da sua mui querida e vizinha Senhora da Lapa cheia para a sua missa de 7º Dia e dessa forma também ser homenageada por tantas pessoas amigas, por aquilo que de tanto e de bom semeou e tratou em vida cá na terra. Semeou acima de tudo amizades reais para a vida e que depois da sua morte será seguramente lembrada para a posteridade como uma pessoa que em vida fez o bem sem olhar a quem!
Uma vez mais, o nosso bem-haja a todos aqueles que nos têm feito chegar as suas mensagens de pesar por diferentes formas e neste caso em particular às pessoas que se associaram a nós em mais este momento de fé e de acreditar que a nossa Filomena está lá no céu a olhar por cada um de nós (9 filhos, 16 netos, 4 bisnetos e todos os outros familiares) e também pelas muitas pessoas amigas e conhecidas que deixou cá na terra.
O nosso obrigado ao Senhor Reitor Pe. Amorim do Santuário de Nossa Senhora da Lapa pela missa e em particular pelas bonitas e reconfortantes palavras sobre a nossa mãe que proferiu na sua homilia. Ao Senhor Pe. Rui da Paróquia do Carregal por também ter marcado presença e ter concelebrado a santa missa. Um agradecimento especial ao meu cunhado Manuel Gonçalves por ter cantado brilhantemente o salmo e de quem tanto a minha mãe gostava de ouvir cantar nesta altura do ano nas Missas do Parto na Madeira à Virgem do Parto ou da Senhora do Ó. Por fim, o nosso muito obrigado à Dra Ana Nunes da Reitoria do Santuário da Lapa pela homenagem que fez no final da missa à Senhora nossa mãe e avó Filomena em forma de poema que transcrevo em baixo e que imprimiu nesta fotografia com o título “Retrato mãe. Beijos.” tirada pelo meu irmão Nuno Correia.

CHEIA DE GRAÇA!

Desce o terreiro vianinha e de sacola
Ajeita a guedelha, que teima o rosto lhe beijar
Acena ao mundo, sorriso franco, desperto
“Amanda” a salvação, com mais algo p’ra contar!

Provecta o olhar na torre e advinha
FILOMENA, por cuja graça era saudada
O som das badaladas replicadas
Chamadoiro da Vizinha… ABENÇOADA!

Nas histórias que conta ao descoberto
No terreiro descerrado, onde morava
Tem para todos aqueles, quantos enxerga,
Um presente, uma merenda, uma palavra.

De trato simples, generoso
Exemplo de inteireza e bem-querer
Esposa, Mãe, Conselheira…
Na plenitude, MULHER!

A pronto o terreiro despido
Da sua graça e encanto,
De não a ver… já não passa…
Suspira, sufoca o pranto!

E na árvore, mirando a estrela alva
Que no terreiro da Lapa, o advento faz brilhar
Lembra-nos o fulgor dela
Que de Natais, a Lapa, soube adornar!

Hoje, semeia sorrisos
Junto à Senhora da Lapa,
No céu, está feliz com MARIA,
FILOMENA e também, cheia de graça!
Ana Nunes
Lapa, 14/12/2019


Na cama do hospital a minha mãe falou como sempre, pois fazia parte do seu ser e estar na vida… Das últimas conversas que tive oportunidade de gravar com a minha querida mãe e que partilhei com a família, ela deixou-nos a seguinte mensagem:

“Beijinhos dos maiores - vão todos ao vosso coração… da MÃE!
(…) agora nem que até vá, tenho que ir... 
Eu depois peço por vós no céu como na terra.
A porta fica sempre aberta, a chave alguém a tem (…)”


É uma dor imensa aquela que sinto no meu coração, pois eu amava a minha mãe e felizmente tenho muito dela. Até sempre querida mãe, do teu Arménio com muitas saudades e um beijinho dos maiores!

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Luto e pesar pela minha mãe

A missa de 7º Dia será no próximo sábado (14/12/2019) às 17h00 no Santuário de Nossa Senhora da Lapa.
Em nome da família venho também por este meio agradecer a todas as pessoas que se associaram a nós no último adeus à nossa mãe e avó Filomena e marcaram presença nas suas cerimónias fúnebres, assim como, a todas as pessoas que por diferentes formas e meios nos manifestaram pesar.
Na pessoa da Irmã Lídia, o nosso agradecimento particular à Reitoria do Santuário da Lapa por tudo, pelo acolhimento da nossa mãe na Capela da Lapa (Colégio da Lapa) para ser velada, ao Senhor Reitor Padre Amorim e ao Senhor Vice-Reitor Cónego Joaquim Dionísio pelo terço rezado, às adoráveis Irmãs Lídia e Jacinta pelo terço rezado, comentado e cantado na noite de velório e oração da manhã e a tantas pessoas amigas da nossa mãe e da nossa família que connosco velaram o seu corpo.
A todos os Senhores padres (Cónego Joaquim Dionísio, Pe. Amorim, Frei Emídio Morais, Pe. Aniceto Morgado, Pe. José Correia, Pe. Diogo Rodrigues) que rezaram e cantaram uma missa lindíssima no funeral da nossa mãe que foi presidida pelo nosso primo Frei Emídio Morais da Lapa, que uma vez mais nos encantou pela sua homilia e declamação do poema “Se Eu Morrer Antes de Você” de Vinícius de Moraes (em anexo) que dedicou à Tia Filomena.
Ao coro do Santuário da Lapa pelos cânticos, ao Pe. Diogo Rodrigues da Paróquia de Quintela da Lapa e ao nosso primo Pe. José Correia do Carregal por acompanharem o cortejo fúnebre do Santuário da Lapa para o Cemitério de Quintela da Lapa.
O nosso agradecimento a todas as pessoas que encheram o Santuário da Lapa e que nos acompanharam neste último adeus à nossa mãe e avó Filomena, que ouviram a neta Ana Filipa a cantar o salmo e também a leitura de um texto para a avó Filomena, o qual acabou por colocar junto ao seu corpo (falta em anexo). Porque eu também falo muito como a minha mãe e gosto de dar como ela fazia, eu quis dar-lhe e dedicar-lhe um texto e mensagem de adeus e luto que escrevi em pranto na noite em que nos deixou (em anexo e transcrito em baixo), mas imediatamente antes tive o imenso prazer de recitar um poema lindíssimo (em anexo) do primo Afonso Dias que escreveu para a prima Filomena.

Se Eu Morrer Antes de Você (Vinícius de Moraes)
Se eu morrer antes de você, faça-me um favor:
Chore o quanto quiser, mas não brigue comigo.
Se não quiser chorar, não chore;
Se não conseguir chorar, não se preocupe;
Se tiver vontade de rir, ria;
Se alguns amigos contarem algum fato a meu respeito, Ouça e acrescente sua versão;
Se me elogiarem demais, corrija o exagero.
Se me criticarem demais, defenda-me;
Se me quiserem fazer um santo, só porque morri,
Mostre que eu tinha um pouco de santo,
Mas estava longe de ser o santo que me pintam;
Se me quiserem fazer um demônio,
Mostre que eu talvez tivesse um pouco de demônio,
Mas que a vida inteira eu tentei ser bom e amigo...
E se tiver vontade de escrever alguma coisa sobre mim,
Diga apenas uma frase:
-"Foi meu amigo, acreditou em mim
E sempre me quis por perto!"
Aí, então derrame uma lágrima.
Eu não estarei presente para enxugá-la,
Mas não faz mal.
Outros amigos farão isso no meu lugar.
Gostaria de dizer para você
Que viva como quem sabe que vai morrer um dia,
E que morra como quem soube viver direito.
Amizade só faz sentido se traz o céu para mais perto da Gente, e se inaugura aqui mesmo o seu começo.
Mas, se eu morrer antes de você,
Acho que não vou estranhar o céu.
"Ser seu amigo, já é um pedaço dele..."

Poema declamado pelo Frei Emídio Morais
na homilia da missa que presidiu no Funeral da Tia Filomena
Santuário da Lapa, 10 de dezembro de 2019

Vinde tempo e vento
Vinde sentir o lamento
Que trespassa o ar
Não nos leves tudo

Deixa-nos ficar
O desassossego saudoso
Do seu falar
A ternura do saber dar
E o seu olhar carinhoso

E por entre a aragem
Que ficar
Paire sempre no ar
Teu cuidar silencioso
De mãe coragem
Que vem secar
Olhos marejados
Que de ti lembrados
Sempre por ti vão chorar

Afonso Dias

“Para a nossa mãe e avó Filomena
A minha mãe falava muito, tinha muito para contar, histórias de vida, umas alegres e em maior número e outras nem por isso, coisas da vida e vivências vividas… Pois bem, também eu admito que falo muito e herdei entre outras coisas boas isso da Senhora minha mãe.
Permitam-me partilhar aqui no último adeus à nossa querida mãe e avó uma pequena parte da sua história de vida.
Aqui ao lado, na casa mais próxima do Santuário da Lapa, num dia frio de janeiro do ano de 1969 a Filomena deu à luz e em casa o seu sexto filho de uma novena de filhos que teve com o nosso pai, conhecido na terra natal de Aquilino Ribeiro e nesta região por João Ferreiro. Aos meus pais agradeço-lhes muita coisa e em primeiro lugar o facto de me terem trazido ao mundo. Para ter o próximo filho (Carlitos) a nossa mãe teve que ir para o hospital de Sernancelhe, onde pela primeira vez esteve às portas da morte. Sem forças para cuidar do seu menino, uma Senhora da Sarzeda que viria a tornar-se sua amiga, sim, porque a nossa mãe tinha a faculdade de facilmente cultivar a amizade, acabou por lhe pagar no filho e amamenta-lo, uma vez que, tinha todo o leite do mundo porque tinha perdido o seu filho ao lado da minha mãe. Dos outros dois filhos que ainda teve em meio hospitalar (Xana e Nuno) também há muitas e boas histórias para contar, assim como, de todos os outros (Ter, Nelso, Zeca, Filénio e Mélita)… Felizmente e com muito trabalho, os nossos pais sempre tiveram uma casa onde do essencial nada faltava, dando a todos os filhos a hipótese de estudarem, chegando mesmo a terem seis deles a estudarem ao mesmo tempo com a nossa mãe ao leme da gestão da casa e das coisas dos filhos.
No dia da Senhora da Conceição, fui a duas missas em honra à Imaculada Conceição e pedi-lhe fervorosamente pela minha mãe. Ouvi o Padre da Paróquia da Pedrulha em Coimbra a dar uma bonita lição de história sobre a Senhora da Conceição, mas numa outra missa também o ouvi dizer que sendo padre há um ano e meio nunca ninguém o chamou para dar os sacramentos da extrema-unção. No dia da Imaculada Conceição e com a minha mãe às portas da morte, depois de no dia anterior lhe ter dado a comida à boca ao lanche e ao jantar, todos os mimos possíveis e ter-lhe mostrado uma fotografia da Senhora da Vida existente no Mosteiro de Lorvão que tinha fotografado nessa manhã a caminho de Viseu, voltei a assistir a mais uma missa na capela do hospital e uma vez mais pedi fervorosamente por ela… Depois, de um a um termos estado com a minha mãe na unidade de cuidados intensivos, fomos chamados pela última vez pelo médico de serviço para nos dar a triste notícia de que a minha mãe não estava a reagir aos tratamentos e estava a morrer, não do problema da vesícula à qual também acabou por ser operada mas de um famigerado tumor detetado apenas e só na última semana a que a minha mãe viria a chamar de “aquele cão” que me estava a morder…
À questão de sermos crentes e se a minha mãe também o era, respondemos que sim! Perguntou-nos ainda se pretendíamos que fosse chamado o capelão do hospital para dar os últimos sacramentos à minha mãe e também estar connosco. Eu respondi prontamente que sim, a minha mãe iria querer e bendita a hora em que o afirmei, pois, foi um anjo que caiu do céu para falar connosco e para nos levar a todos à cama onde a minha mãe estava a morrer aos poucos, para lhe ministrar os últimos sacramentos e rezarmos todos juntos e com ele pela nossa querida mãe... Eu sei que a minha mãe gostou bastante deste último momento que vivemos com ela, que morreu em paz e que é mais uma das nossas estrelinhas lá no céu… Descansa em paz e para todo o sempre, querida mãe!
Em nome de toda a família quero agradecer a vossa presença neste último adeus à nossa mãe e avó, um obrigado pelas muitas mensagens de condolências que nos têm enviado por diferentes meios e bem-haja a todos pela vossa amizade.
Lapa, 10 de dezembro de 2019
Arménio Correia"

“Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida.
Quem acredita em mim, mesmo que morra viverá.” (JO 11,26)
Maria Filomena Silva Rodrigues
(86 anos) | Nascimento: 21/05/1933 | Falecimento: 08/12/2019

domingo, 8 de dezembro de 2019

Adeus Mãe, adeus Filomena

A minha querida mãe Filomena Silva Rodrigues partiu no dia da Senhora da Conceição e foi para junto do meu pai que era devoto da Senhora da Conceição. Foram tantas as vezes que eles pararam no meio do corredor lá de casa, do quarto para a sala, a apoiar o meu pai nos últimos anos da sua vida para ele dar um beijo à imagem da Imaculada Conceição… Nos últimos dois anos a minha mãe sofreu bastante e hoje (08/12/2019) por volta das 22h00 chegou o dia do seu descanso eterno e para todo o sempre, tendo falecido em paz e com 86 anos, com os filhos à volta da sua cama no hospital apoiados pelo capelão do hospital de Viseu a quem muito agradecemos, assim como, a todo o pessoal médico, enfermeiros e auxiliares que acompanharam a minha mãe nesta última semana da sua vida.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Ensino Eficaz - Arménio Correia

Manifestos e testemunhos sobre ensino eficaz: Prof. Arménio Correia. Mais informação consulte www.cinep.ipc.pt

Ensino Eficaz

Ensino Eficaz: MANIFESTOS e TESTEMUNHOS de docentes do IPC
"Para a seleção dos professores pedimos aos estudantes finalistas de licenciatura que nomeassem os professores que consideraram mais inspiradores, eficazes e estimulantes. O seu nome foi o mais nomeado na (ou numa das) licenciatura(s) em que dá aulas. Parabéns por isso. É um reconhecimento válido e neutro do impacto positivo que tem sobre os seus estudantes.
Com este convite queremos dar visibilidade a esse reconhecimento e escutar o seu testemunho sobre aquilo que considera serem os melhores contributos por parte dos professores para o ensino de excelência." (CINEP | IPC - Instituto Politécnico de Coimbra).

Finalmente e ao fim de 25 anos de Professor um reconhecimento do meu trabalho e registo para a posteridade… Sim, estas coisas fazem-nos bem ao ego e são saudáveis!
Hoje, ainda vou ao ISEC - Instituto Superior de Engenharia de Coimbra, no entanto, começar as merecidas férias com a partilha deste manifesto publicado e divulgado pelo CINEP é um dado importante que vou guardar para a vida. Um grande bem-haja a todos os alunos, aos antigos alunos e em particular aos finalistas do presente ano letivo (2016/2017) que me nomearam.
Nota: os meus parabéns a todos os outros colegas do IPC que também foram nomeados.Todos juntos somos poucos par tornar o ensino melhor e mais eficaz!

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Caminhada matinal antes do Dia do Cidadão

Caminhada matinal antes do Dia do Cidadão
Antes das atividades planeadas e outras espontâneas que aconteceram em mais um dia memorável de cidadania no Dia do Cidadão de e em Cidadelhe, eu e o Raul Bandarra fizemos uma caminhada matinal pelas redes de caminhos de terra batida para a zona do paúl, fonte do freixo e carrascal… Aproveitámos e fomos comendo figos pelas figueiras da vizinhança!
Fotos com telemóvel: Arménio Correia
Local: Cidadelhe, Vale do Côa, Pinhel
Data: 24/08/2016

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Dia de trabalho no Carregal com passagem pela Lapa

Dia de trabalho no Carregal com passagem pela Lapa
Fruto de ter recebido por herança do meu pai um terreno no Carregal, terra natal do escritor Aquilino Ribeiro, onde aprendi as primeiras lides do saber trabalhar a terra, nestas férias estive duas vezes no Carregal a tratar do meu pedaço de terra e plantação de castanheiros…
Fotos com telemóvel: Arménio Correia
Local: Carregal, Sernancelhe
Data: 22/08/2016

sábado, 20 de agosto de 2016

Faia Brava em Cidadelhe

"É com entusiasmo que comunicamos a abertura de mais 300 hectares para a conservação da natureza. Localizado em Cidadelhe, concelho de Pinhel, este espaço é importante a proteção de espécies como a Águia Real entre outras espécies de aves. Partilhamos o momento simbólico de libertação de cavalos garranos e vacas maronesas, espécies autóctones que tem um trabalho importante na diminuição da carga combustível e que a partir de agora vivem em liberdade neste novo espaço!" (Reserva da Faia Brava)
Eu estive presente, não tivesse sido em Cidadelhe e nestas paisagens aGrestes e soberbas do Vale do Côa que tanto me atraem.
Cidadelhe, 20 de agosto de 2016.
Foto: Cidadelhe Rupestre

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Dar sangue é dar vida

Dar sangue é dar vida
Hoje, no nosso 2.º dia de férias fomos "Dar Sangue CHUC"!
Eu estou a atingir as 30 dádivas de sangue, o Bernardo foi dar sangue pela 1ª vez e deste modo comemorar os seus 18 anos que é a idade mínima para se dar sangue.
CHUCoimbra, 2 de agosto de 2016

sábado, 30 de julho de 2016

Cicloturismo aos Moinhos de Gavinhos

Cicloturismo aos Moinhos de Gavinhos
Hoje, à tarde, voltei a Penacova de bicicleta e a estrada N110 (Penacova – Coimbra) é simplesmente um espetáculo. O ponto alto deste cicloturismo foi finalmente subir e conhecer os Moinhos de Gavinhos.
Será vício ou algo diferente do tipo andar por aqui e por ali a sentir os cheiros da terra, dos rios, o lavar os olhos sem água ao contemplar a natureza, o conhecer cantos, recantos e lugares… É tudo isso e muito mais! 
Trajeto: Pedrulha (Coimbra), Adémia, Torre de Vilela, Souselas, Botão, Monte Redondo, Alagoa, Telhado, Gavinhos, Penacova, N110, Coimbra, Loreto, Pedrulha.
Fotos com telemóvel: Arménio Correia
Data: 30/07/2016
Local: Coimbra, Gavinhos, Penacova

Céu nublado, caminhada nos passadiços das dunas

Céu nublado, caminhada nos passadiços das dunas
Hoje, não tivemos direito a banhos de sol e de mar…
As caminhadas são sempre uma opção a considerar, que também fazem bem ao corpo e contribuem para o nosso bem-estar.
Fotos com telemóvel: Arménio Correia
Local: Figueira da Foz
Data: 30/07/2016

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Com o amigo Cruz antes das férias

Hoje, antes de entrarmos de férias vamos (um grupo de amigos) almoçar com o nosso amigo Almeida Cruz José, que por sorte nesta minha vida tive o prazer de o conhecer e nunca mais o “largar” desde uma formação em Matemática que ministrei no ISEC aos antigos (tudo pessoal jovem de espirito) Técnicos-Experimentadores do ISEC para prestarem provas no IST e passarem à categoria mais do que merecida de Técnicos. Infelizmente, a visão míope dos nossos responsáveis (fazedores de leis e outros) não soube aproveitar o potencial de conhecimentos práticos e competências verdadeiras, com provas dadas durante uma longa vida profissional ao serviço de uma causa maior que é o ensino prático, mesmo que a prestação e continuação desse serviço fosse graciosa… Como é que isso foi e é possível numa instituição que tem de marcar a sua diferença por um ensino mais prático e com os melhores!?
Um grande abraço para o meu grande amigo Cruz e que a senha e contra senha (“Quando mal, nunca pior!”) perdure por muitos e bons anos de vida e amizade. 
Arménio Correia

quinta-feira, 28 de julho de 2016

À praia de bicicleta

À praia de bicicleta
Hoje, voltei à praia mais fui novamente de bicicleta…
Pelo caminho parei em Maiorca para ir conhecer o seu palácio!
Será vício ou algo diferente do tipo andar por aqui e por ali a sentir os cheiros da terra, do mar, o lavar os olhos sem água ao contemplar a natureza, o conhecer cantos, recantos e lugares… É tudo isso e muito mais! 
Trajeto: Pedrulha (Coimbra), Loreto, Campos do Bolão, Geria, Tentúgal, Montemor-o-Velho, Maiorca, Figueira da Foz.
Fotos com telemóvel: Arménio Correia
Data: 28/07/2016
Local: Coimbra, Maiorca, Figueira da Foz